5G E A INFRAESTRUTURA AÉREA - REORDENAMENTO DA REDE GERARIA CUSTO DE R$ 20 BILHÕES

#5G #ANATEL #FIBRAÓPTICA #TELECOM #BLOGINFORTEL


A IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA 5G NO BRASIL TEM DEMANDADO UMA MAIOR CAPACIDADE DE TRAFÉGO DE DADOS E A EXPECTATIVA É DE RESOLVER O GARGALO ATUAL, A INFRAESTRUTURA AÉREA DE CABOS NOS POSTES.


"A solução se daria por meio do uso compartilhado de uma fibra apagada, ou seja, pelo uso de uma estrutura de cabeamento e rede em fibra que não está sendo utilizada, mas encontra-se configurada e instalada perfeitamente, de modo que pode iniciar a transmissão de dados a qualquer momento que seu proprietário ou usuário deseje. No caso, essa rede tem como característica ser neutra para o uso de qualquer empresa. Tem como vantagem a possibilidade de evitar ociosidade operacional, já que algumas empresas passam o cabo e só usam 10% da capacidade (motivo para poluição visual nas grandes cidades). Desta forma pode-se ter várias empresas compartilhando a mesma rede e com eficiência. A presença deste tipo de empresa deve ser incentivada pelos agentes reguladores, fazendo com que a distribuidora de energia elétrica transfira a exploração da faixa compartilhada para um agente de perspectiva neutra. A Anatel estima que o reordenamento das redes áreas em 1,4 mil cidades com mais de cinco prestadores de telecomunicações poderia custar mais de R$ 20 bilhões, porém o tema é sensível sobretudo para provedores regionais, que têm enfrentado relacionamento conturbado com distribuidoras de energia elétrica."


"Um exemplo de compartilhamento de infraestrutura ocorreu recentemente (quarto trimestre de 2019), no qual a American Tower lançou um conceito até então inédito de rede de acesso em fibra compartilhada, cujo projeto piloto será em Belo Horizonte. A empresa pretende utilizar a infraestrutura da antiga Infovias, pertencente à Cemig Telecom (que foi adquirida pela American Tower no final de 2018) para levar rede de fibra "aberta" a cerca de 300 mil domicílios (Home Passed) da capital mineira." cita a Anatel.


Leia o conteúdo completo clicando aqui.


Fonte: Agência Nacional de Telecomunicações – Anatel Superintendência de Competição

Atendimento